Revisão de Aposentadoria
Seu benefício foi concedido, mas você não sabe se o cálculo feito pelo INSS está correto, se há alguma mudança na legislação que possa beneficiá-lo, se caberia alguma revisão, se tudo que foi solicitado no pedido de sua aposentadoria foi atendido pelo INSS. E agora? O que fazer?
Não se preocupe, temos a solução, com a nossa equipe de profissionais todos os detalhes e circunstâncias são levados em consideração, afinal de contas a TCM Advocacia sempre se destacou pelo pioneirismo nas revisões de benefícios previdenciários
A seguir separamos as principais revisões, lembrando que em todas, sem exceção, já patrocinamos uma ação judicial com ganho de causa para nossos clientes.

Revisão da vida toda:

Essa revisão consiste, basicamente, em incluir no cálculo da aposentadoria as contribuições previdenciárias feitas antes de julho de 1994.
A lei 9.876 determina que, no cálculo de um benefício previdenciário (daqueles que pedirem uma aposentadoria depois de 1999) serão somadas todas as contribuições posteriores a julho de 1994, sendo descartadas as anteriores.
Após inúmeras decisões dos Tribunais Federais, o STJ julgou, recentemente, um caso dando ganho de causa para o aposentado.
Portanto, caso você tenha contribuições anteriores a julho de 1994 que não foram incluídas no cálculo de sua aposentadoria, possivelmente terá direito a revisão da vida toda.

Revisão para corrigir erros de cálculo

Diante dos inúmeros critérios e regras para o cálculo de uma aposentadoria, não são raros os erros praticados pelo INSS. Mas existe um ponto em comum em todos esses erros: o INSS sempre erra em prejuízo do Segurado.
Um erro muito comum, praticado nos benefícios por incapacidade, diz respeito ao não descarte dos 20% menores salários. Veja algumas ações patrocinadas pela TCM Advocacia nas quais corrigimos esses equívocos:

Revisão da atividade especial:

Aqui estamos diante de um dos erros mais recorrentes praticados pelo INSS, a conversão de atividade especial para comum ou concessão de uma aposentadoria especial.
São dois casos distintos, porém não menos frequentes:
1) O segurado desempenha em parte de sua vida laborativa uma atividade especial e pede sua conversão para comum (em linhas gerais o homem ganha 04 anos a cada 10 contribuído e mulher 02);
2) O segurado trabalhou 25 anos em uma atividade insalubre/periculosa e tem direito a uma aposentadoria especial.
Nos casos acima citados os erros cometidos são incontáveis: o INSS deixa de considerar todo período como especial, concede o pior benefício, não converte determinada atividade, não faz a conversão por categoria, etc.
A título de exemplo destacamos que um dos erros mais comuns cometidos pelo INSS é não considerar a atividade de vigilante como especial. Somente através de uma ação judicial é que o Segurado vai ter seu direito garantido. Veja um desses casos vencido pela TCM Advocacia:

Inclusão de sentença trabalhista:

Outro falha do INSS que merece destaque pela frequência com a qual nos deparamos diz respeito a inclusão de atividade reconhecida em sentença trabalhista no cálculo da aposentadoria
O Segurado pode ter ingressado com uma reclamação trabalhista para reconhecer determinado vínculo empregatício ou buscando o recebimento de alguma verba salarial. Nesses casos, havendo ganho de causa na Justiça do Trabalho, o INSS reconhece o direito automaticamente?
A resposta é, infelizmente, NÃO.
Somente através de uma ação judicial é que o Segurado verá computado, em sua aposentadoria, os termos conquistados na reclamação trabalhista.
Graças ao trabalho minucioso de nossos profissionais temos obtido sucesso nessas demandas, veja um exemplo:

Outras revisões:

São inúmeros os erros. Como não é possível elencarmos todas os impropérios praticados pelo INSS, recomendamos que procure um profissional capacitado para o exame detalhado de sua aposentadoria.
No artigo abaixo enumeramos outras revisões:
Fale Conosco por WhatsApp